JUCEMG - Notícias
Governo de Minas
 

MDIC lança plano para aumentar participação de empresas de MG nas exportações

03/08/2015
Compartilhe: Compartilhe no Facebook Twitter imprimir pagina Enviar por e-mail

Brasília (3 de agosto) – O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, em parceria com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e com o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Junior, lança, nesta quarta-feira, 5 de agosto, em Belo Horizonte (MG), o Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE). A ação é o braço regional do Plano Nacional de Exportações – lançado pelo Governo Federal em junho deste ano – e tem o objetivo de aumentar o número de empresas mineiras que operam no comércio exterior e, consequentemente, aumentar as exportações de produtos e serviços do Estado. A cerimônia será na sede da Fiemg, às 10h.

Minas Gerais é o primeiro estado a receber o Comitê Gestor do PNCE, que será responsável por monitorar a performance do programa com as empresas do estado. Inicialmente, participam 2 mil empresas de todos os portes, de 15 setores econômicos, que vão desde metal-mecânico a têxteis, passando pelo setor calçadista e alimentício, e com potencial exportador. A meta é cobrir todos os estados brasileiros até o final de 2016. Os próximos estados a receber comitê gestor são Rio Grande do Sul e Pernambuco.

O secretário de Comércio Exterior do MDIC, Daniel Godinho, explica que, no ano passado, cerca de 2 mil empresas mineiras exportaram. “Mas quando analisamos os últimos cinco anos, percebemos um universo com mais de 3 mil empresas. Vamos trabalhar juntamente com essas empresas para que elas tornem a exportação uma atividade habitual”, disse. Além disso, o secretário ressalta que o programa vai identificar, no estado, empresas que têm potencial exportador, mas que ainda não tem experiências em mercados externos. “Ao fomentarmos a participação de mais empresas brasileiras no mercado internacional, invariavelmente aumentamos e diversificamos a pauta exportadora do estado”.

Godinho explica ainda que as empresas participantes do PNCE contarão com uma gama de ferramentas de treinamento, capacitação, consultoria para adequação de produtos, e identificação de mercados. “Estaremos bem próximos das empresas de Minas Gerais, oferecendo as ferramentas necessárias para que consigam fazer com que a exportação passe a fazer parte do dia a dia delas”.

As empresas participantes do PNCE vão contar também com apoio dos parceiros na elaboração de avaliação de seus produtos e serviços, consultoria de inteligência comercial (que avalia em quais mercados aquele produto ou serviço tem potencial de venda), participação em missões comerciais e rodada de negócios com compradores estrangeiros; e outros.

Para Olavo Machado Junior, a indústria mineira aguarda com grande confiança o lançamento do PNCE de Minas Gerais. “Acreditamos que suas linhas centrais apontam na direção correta e reafirmam que há uma convicção compartilhada entre governo e setor privado sobre a necessidade de ampliação da inserção internacional do País frente às grandes transformações em curso no cenário mundial”, disse.

Em Minas, o programa conta com o apoio de 20 parceiros – entre regionais e nacionais – como os ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC); das Relações Exteriores (MRE); da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); e da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); a Fiemg; Governo do Estado; Sebrae; Apex-Brasil; ABDI; Correios; Banco do Brasil; Caixa Econômica; ACMinas e outros. As empresas participantes do PNCE contarão com uma cesta de produtos e serviços, voltados para o aumento da competitividade em mercados estrangeiros.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Altamir de Araújo Rôso Filho, a união de esforços para incentivar a cultura exportadora em Minas Gerais trará bons frutos para as empresas mineiras. “Sabemos do potencial que existe no nosso estado para levarmos produtos e serviços de qualidade para todo o mundo. Com o suporte assertivo dos governos Federal, do Estado e de entidades de classe, damos um passo importante para que elas possam competir em condições de igualdade em qualquer lugar do planeta”, ressaltou.

De acordo com o presidente da Apex-Brasil, Davi Barioni, as ações de promoção comercial desenvolvidas pela agência dão muito retorno para as empresas brasileiras. “No ano, a Apex-Brasil desenvolve mais de mil ações com mercados estrangeiros. São em média três ações por dia, sempre com o foco de promover produtos e serviços brasileiros, nos mais diferentes mercados do mundo”, disse.

Etapas

O PNCE é desenvolvido em cinco etapas bem definidas – sensibilização, inteligência comercial, adequação de produtos e processos, promoção comercial e comercialização. O programa conta ainda com três temas transversais para o direcionamento das empresas: financiamento, qualificação e gestão. Algumas das ações previstas:

SENSIBILIZAÇÃO

Banco do Brasil: capacitação em negócios internacionais. Fundamentos de comércio exterior, exportação, financiamento à exportação, câmbio, entre outros;

Correios: palestra, curso e consultoria sobre o programa Exporta Fácil;

CNI/Fiemg: eventos de sensibilização em internacionalização de empresas;

MDIC: promoção de treinamento em exportação para empresas pequeno porte. Oficina sobre os programas Vitrine do Exportador, Aliceweb e Radar Comercial.

INTELIGÊNCIA COMERCIAL

Apex-Brasil: apresentação do perfil exportador de Minas Gerais;

Inmetro: treinamento sobre barreiras técnicas no Mercosul;

MDIC: treinamento do Capta – para que as empresas aprendam a utilizar as preferências tarifárias previstas em acordos comerciais assinados pelo Brasil.

ADEQUAÇÃO DE PRODUTOS E PROCESSOS

INPI: Propriedade Intelectual para empresas exportadoras;

Sebrae: SEBRAEtec - promove o acesso de pequenos negócios a soluções em sete áreas de conhecimento da inovação: design; produtividade; propriedade intelectual; qualidade; inovação; sustentabilidade; e tecnologia da informação e comunicação.

MCTI: Sibratec – o Sistema Brasileiro de Tecnologia tem como objetivo apoiar o desenvolvimento tecnológico das empresas brasileiras, bem como melhorar a qualidade dos produtos colocados nos mercados interno e externo. Dá condições para o aumento da taxa de inovação dessas empresas e, assim, contribui para o aumento do valor agregado de faturamento, produtividade e competitividade no mercado.

PROMOÇÃO COMERCIAL

Apex-Brasil: oficinas de Negócios Brasil Trade;

CNI/Fiemg: Projeto Comprador Internacional e Projeto Comprador Minas Trend Preview;

MRE: videoconferência com os Setores de Promoção Comercial (Secoms) das embaixadas dos mercados prioritários para entender quais são as peculiaridades do país para a entrada de produtos brasileiros.

COMERCIALIZAÇÃO

Sebrae: curso ‘Condições de Venda para os Mercados Externos’; e curso ‘Procedimentos para Exportação’;

Senac: curso de aperfeiçoamento sobre desembaraço aduaneiro;

Banco do Brasil: capacitação sobre cartas de crédito e financiamento às exportações.

SERVIÇO


Lançamento do Plano Nacional da Cultura Exportadora em Minas Gerais

 

Data: dia 5/8, quarta-feira

Local: FIEMG - Av. do Contorno, 4456 - 4 andar - BH / MG

Entrega do material embargado: 10 horas

27/06/2019 - PROTOCOLO ÚNICO

 
JUCEMG
Rua Sergipe, 64 - Boa Viagem - Belo Horizonte, MG - CEP 30130-170
Telefone: (31) 3219-7900 - (Atendimento) Outros: Telefones de Contato